O Crescimento Ec onómico é Suficiente para Reduzir a Pobr eza em África? Kapus cinski Lecture no IS EG (29Março)

O Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento do Instituto Superior de Economia e Gestão, com o apoio da Comissão Europeia e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,tem o prazer de V/ convidar para a primeira Kapuscinki Lecture organizada em Portugal – “Are the 3Gs enough to reduce poverty in Africa? It is all about Growth, Grants or Governance?” com Jan Vandemoortele, antigo director do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e um dos arquitectos dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

A sessão terá lugar no próximo dia 29 de Março, pelas 18 horas, no Anfiteatro BES (4.º andar, Edifício Quelhas, Rua do Quelhas / ISEG).

O debate terá como ponto de partida os últimos dados revelados pelo Banco Mundial que apontam para um crescimento económico significativo em África, ao longo da última década, e procurará compreender se esse crescimento contribui realmente para a redução da pobreza nos países africanos. O painel de discussão conta já com a presença de João José Fernandes (director da OIKOS), Mónica Ferro (Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros) e Carlos Sangreman (investigador do CEsA/ISEG e professor da Universidade de Aveiro). O encerramento desta Lecture será feito pelo Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Luís Brites Pereira.

As edições Kapuscinski Lectures, inspiradas no nome do repórter polaco Ryszard Kapuscinski, são uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) financiada pela Comissão Europeia.Na sua terceira edição, as lectures são um acontecimento singular, a nível europeu, para o debate sobre questões de Desenvolvimento com especialistas de organizações internacionais, políticos, activistas da sociedade civil, empreendedores e académicos.

Incluimos em anexo um resumo da apresentação e nota biográfica de Jan Vandemoortele.

Para mais informações, por favor, contactar Luís Mah (luismah ou 919 670 642).

Organização

Vandemoortele_Brief.pdf

divulgação Conferênc ias Doutorais

Fórum das Políticas Públicas
20 abr. Doutoramento de Ciência Política

TRANSFORMATION OF WEST EUROPEAN PARTY SYSTEMS IN THE AGE OF
GLOBALIZATION

Hanspeter Kriesi Departamento de Ciência Política da Universidade de Zurich

26 abr. Doutoramento em Serviço Social

SOCIAL WORK RESEARCH: THE EXPERIENCE IN THE UK

Dr Elaine Sharland Department of Social Work and Social Care Essex House; University of Sussex Falmer, Brighton

04 mai. Doutoramento em Ciência Política / Relações Internacionais

NECESSARY WARS OF CHOICE: AMERICAN FOREIGN POLICY, 1975- PRESENT

Marilyn Young Universidade de Nova-York (Auditório B204, Edifício II)

16 mai. Doutoramento em Serviço Social

UNDERSTANDING EXCLUSIONARY PROCESSES, PRECARIOUS IMMIGRATIONSTATUS AND CITIZENSHIP RIGHTS AS A BASIS FOR A HUMAN RIGHTS

Marie Lacroix Escola de Trabalho Social, Universidade de Montreal

18 mai. Doutoramento em Ciência Política / Relações Internacionais

THE ANGLO-AMERICAN RELATIONS AND THE ATLANTIC ALLIANCE: WHAT’S
SPECIAL NOW AND WHY?

Alan Dobson Universidade de Dundee

22 mai. Doutoramento em Politicas Públicas

METROPOLITAN GOVERNANCE: A RESEARCH STRATEGY FOR ASSESSING ITS IMPORTANCE

Robert Wilson LBJ School of Public Affairs, UTAustin

2 mai. Doutoramento em Estudos Africanos

PENSER LES QUESTION IDENTITAIRES EN AFRIQUE AU 21ÉME SIÈCLE. QUELQUES HYPOTHESIS DE TRAVAIL

Christian Coulon Instituto de Estudos Políticos, Bordéus (Auditório B204, Edifício II)

10 fev. Doutoramento em Estudos Africanos

LA CONSTRUCCIÓN POSCOLONIAL DE GUINEA ECUATORIAL Y EL IMPACTO DELAS MIGRACIONES TRANSNACIONALES

Yolanda Aixela Cabré Instituto Milà e Fontana de Barcelona

24 fev. Doutoramento de Ciência Política

POLITICAS PÚBLICAS Y CAMBIO DE ÉPOCA

Joan Subirats Universidade Autónoma de Barcelona

08 mar. Doutoramento de Ciência Política

REVISITING RELIGIOUS CLEAVAGE AND RELIGIOUS VOTE IN EUROPE

José Ramon Montero Universidade Autonoma de Madrid e CEACS do Instituto Juan March

Logo ISCTE-IUL secretariado.espp
www.iscte-iul.pt

trk.php?i=MjIyODQ=&s=

EVENTOS – Centro de Estudos Africanos (I SCTE-IUL) | MARÇO 20 12

ALTERAÇÃO/CORRECÇÃO:A conferência do Prof. Theodore Trefon, do dia 16 Março 2012, foi adiada para o mês de Maio.

EVENTOS CEA-IUL | MARÇO 2012

7 de Março
Conferência de Estudos Africanos
Poderes territoriais na África Subsaariana: Exemplos e reflexões
15:00
Orador: Angelo Turco
Local: Sala C202, Edifício II, ISCTE-IUL

20 de Março
Seminário de Estudos Africanos
Literaturas e Estruturas de Sentimento: fluxos entre Brasil e África
18:00
Orador: Eliane Veras
Local: Auditório Afonso de Barros, Edifício Ala Autónoma, ISCTE-IUL

27-29 de Março
Conferência Internacional
São Tomé e Príncipe numa perspectiva interdisciplinar, diacrónica e sincrónica
Local: Edifício II, ISCTE-IUL

27-29 de Março
Mostra de Documentários de São Tomé e Príncipe
Local: Edifício II, ISCTE-IUL

Eventos CEA Maro 2012.pdf

Adiada a conferência do Pro f. Theodore Trefon

A conferência do Prof. Theodore Trefon, dia 16 Março 2012, foi adiada para o mês de Maio.

19 MARÇO 2012 – Evol ução do Programa de Desminagem em Angola – o papel da Coopera ção Internacional

RECTIFICAÇÃO DA DATA: 2ª FEIRA, 19 MARÇO 2012, 18 Horas

Angelo Turco – Poder es Territoriais na Á frica Subsaariana | 07 Março | 15:00, C2 02, Edifício II, ISC TE-IUL

WORKSHOP QUILOMBOS E QUILOMBOLAS – ISCTE , 8 MARÇO 2012 , 15: 00

WORKSHOP

QUILOMBOS E QUILOMBOLAS

TERRITORIALIDADES, IDENTIDADES E DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

Os Quilombolas – descendentes de escravos africanos – lutam diariamente no seio da sociedade brasileira pela preservação do seu património ambiental e cultural e pelo reconhecimento dos seus valores e direitos. Preservando manifestações e tradições de matriz africana que foram passando de geração em geração, os Quilombos detêm um legado cultural e social riquíssimo. O resgate da sua cultura atravessa fronteiras, aproxima continentes e povos e valoriza a importância das raízes africanas na constituição das sociedades actuais.

A delegação da Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (ACONERUQ), de visita a Lisboa no âmbito da Semana Intercultural “O percurso dos Quilombos: de África para o Brasil e o regresso às origens” (1), com este Workshop procura proporcionar uma discussão sobre o significado dos chamados Quilombos nos dias actuais, fazendo reflectir sobre as mobilizações político-organizativas de luta pela terra e sobre os obstáculos colocados ao reconhecimento dos direitos territoriais das comunidades quilombolas. Pretende ainda realizar a troca de informações e conhecimento a respeito das comunidades quilombolas e seus desafios contemporâneos.

1. Projecto desenvolvido, em parceria, pela ACONERUQ, o Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF), a Plataforma das ONG de Cabo Verde (PONG’S) e a ONG guineense Acção para o Desenvolvimento (AD) e co-financiado pela Comissão Europeia e pelo IPAD – Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento Mais informações em: www.quilomboscontemporaneos.org

Workshop Quilombolas.pdf

Angelo Turco no ISCTE-IUL Poderes Territoriais na África Subsaariana

image0015

Galeria

Conferências de Estudos Africanos: As Sociedades Africanas Face a Dinâmicas Globais _ Migrações, , ISCTE-IUL, 9 Fevereiro 2012

ertúlia #5 BUALA 4ª feira, dia 21 às 21h “A quem serve a ind ústria da pobreza?” | Chapitô – LISBOA

Tertúlia #5 BUALA 4ª feira, dia 21 às 21h “A quem serve a indústria da pobreza?”

projecção do Documentário Enjoy Poverty de Renzo Martens, seguido de debate sobre “A quem serve a indústria da pobreza?”

dia 21 às 21h no Zona Franca no Bartô, Chapitô – LISBOA

Este artista viajou at� ao mais profundo Congo, em mais uma das suas guerras civis, a imensa ferida aberta de �frica, qual Conrad no Cora��o das Trevas. De c�mara � m�o, escarafunchou na ind�stria da luta contra a pobreza que a tantos beneficia: empresas que enriquecem � custa dos recursos que os pobres n�o podem reivindicar (o ouro e coltan para fabricar telem�veis), ong�s como grandes empregadores, os media que vendem essas imagens e os especialistas em resolu��o de conflitos. Sendo a vulnerabilidade dos africanos bastante rent�vel, Renzo lan�a um programa de emancipa��o como caricatura dessa mesma situa��o. Partindo da pergunta fundamental do filme: �a quem pertence a pobreza?�, cooperantes, ong�s, estudiosos, olhares cr�ticos e viajados s�o convidados a desconstruir a ind�stria do desenvolvimento.

Num registo informal queremos problematizar a ind�stria do desenvolvimento de v�rios pontos de vista, discutindo, a partir da indigna��o que o filme provoca, o sentido e as estrat�gias de projectos concretos em �frica e pa�ses �perif�ricos�.

debate com Ulrich Schiefer, Manuel Bivar e Diogo Ferreira

http://www.buala.org/pt/da-fala/tertulia-5-buala-4-feira-dia-21-as-21h-a-quem-serve-a-industria-da-pobreza
Diogo Ferreira
Licenciado em Economia c/ especializa��o em Desenvolvimento e Coopera��o Internacional,onde trabalhou a tem�tica da �tica na coopera��o para o desenvolvimento e sistemas de coopera��o internacional. Exerce actualmente o cargo de coordenador de Projectos no Instituto Marqu�s de Valle Flor e � consultor de organiza��es da sociedade civil do espa�o CPLP. Experi�ncia em consultoria e coordena��o de projectos de coopera��o nas �reas da seguran�a alimentar, educa��o, ambiente, desenvolvimento sustent�vel, cultura e patrim�nio.

Manuel Bivar

Mestrado em Estudos Africanos, ISCTE, IUL. Desde 2008 tem vindo a fazer investiga��o na Guin�-Bissau sobre agricultura, floresta, posse da terra.

Ulrich Schiefer

Soci�logo e antrop�logo; forma��o acad�mica na Universidade de M�nster, Alemanha.

Professor do Instituto Superior de Ci�ncia do Trabalho e da Empresa � Instituto Universit�rio de Lisboa (ISCTE-IUL). �reas de interesse: Estudos Africanos, Planeamento e Avalia��o, Desenvolvimento Organizacional, Redes Inter-organizacionais. Consultor de organiza��es nacionais e internacionais.